user_mobilelogo

small spapsmall bttsmall canyoningsmall escaladasmall espeleosmall montanhismosmall snowboard skismall trekking

Plataforma colaborativa de recolha de dados ambientais

 

 

tornar membro arcm

DSC04258Domingo, 25 de Setembro de 2016

Fotos aqui

Encontro no Porto Extremo – 8h00m

43 Participantes e 2 canídeos (Nina e Gimba)

Arnaldo Costa, José Nunes, Dulce Gonçalves, Cristina Martins e José Costa (5)

António Oliveira, Rosa Oliveira, Maria Graça Basto, Luís Rui e Gabriel Coelho (5)

José Carlos Gomes, Orquídea Lima, António Pinto, Mário Ferreira e Marisa Alves (5)

Beatriz Silva, Catarina Ascensão, Lília Araújo, Cinda Rodrigues e Luís Teixeira (5)

Vladimiro Pereira, Noémia Peres, Helena Silva, Nina Gonçalves e Teresa Pereira (5)

João Marques Fernandes, Irene Ferreira, Miguel Guimarães, José Cruz e Lino Santos (5)

António João Pinto, Vanessa Loureiro (2)

José António Duarte, Maria do Céu (2)

Cláudia Relva, Gil Nunes, Sara Sousa, Fernando Miranda, Maria Magalhães, Filipe Coelho, Luís Coelho e Mafalda Santos (8)

Isabel Quinta

Saída do Porto por volta das 8,30h. Paragem para reagrupamento em Antuã e chegada a Vilarinho de São Roque pouco depois das 9h30m. Depois de uma curta espera por alguns dos que foram diretos, e pelos que foram enganados pelo respetivos sistemas de navegação, iniciamos a caminhada com uma “subidinha” para aquecer, e depois disso dirigimo-nos ao marco geodésico onde esperávamos encontrar uma mamoa megalítica. Deste pequeno desvio, apenas resultou uma caminhada mais longa e a satisfação de termos atingido o ponto mais elevado da zona – da Mamoa, nem sinal. Após uma longa e fácil descida até à Ribeira da Felgueira (Rio Pequeno) a envolvência foi sendo cada vez mais interessante. Aqui foi feita uma pequena pausa para restabelecer energias. Seguiu-se a margem do Caima e, depois da obrigatória pausa para almoço, lá foi possível reunir todo o grupo junto a uma cascata de belíssimo aspecto, mas com águas cujo cheiro sugeria proveniência algo duvidosa. Após paragem em Ribeira de Fráguas, para café e refrescos, entramos num belíssimo Parque de Merendas e seguimos o trilho ao longo do Rio Fílveda, com alguns moinhos, pontes e passadiços muito interessantes. Ainda não eram 17h e já nos encontrávamos no ponto de partida. Feitas as primeiras despedidas dirigimo-nos ao mesmo café de Ribeira de Fráguas e aí estivemos, durante algum tempo, em animado convívio. Mais uma jornada de sucesso, a julgar por alguns comentários que me foram sussurrados. Alguém disse até, que das muitas caminhadas que já tinha feito, esta terá sido uma das mais belas! Concordo inteiramente…

Os responsáveis pela secção de Trekking do ARCM (Alto-Relevo Clube de Montanhismo)

Arnaldo Costa e Tiago Costa