small spapsmall bttsmall canyoningsmall escaladasmall espeleosmall montanhismosmall snowboard skismall trekking

14980812 10209100909013428 4850467758380316775 n

CASTANHAS PARA O S. MARTINHO ENTRE O ALVÃO E O MARÃO - Relatório

Domingo, 06 de Novembro de 2016

Encontro no LIDL Valongo – 8h00m

41 Participantes e 4 canídeos (Vindouro, Reya, Nina e Cuca)

Arnaldo Costa, José Nunes, Dulce Gonçalves, Cinda Rodrigues e Gabriel Coelho (5)

José Carlos Gomes, Orquídea Lima, António Pinto, Célia Vieira e Ana Margarida (5)

Isabel Mortágua, Luís Teixeira, Filipe Cardoso, José Costa e Cristina Martins (5)

Lino Santos, Sofia Santos, Maria da Graça, Esperança e Isabel Quinta (5)

Mário Dantas, Lurdes Baía, Rosa Oliveira, Joaquim Seca e Luís Rui (5)

Vladimiro Pereira, Noémia Peres, Helena Silva, Nina Gonçalves e Teresa Pereira (5)

Rui Vieite, Conceição Lages, Maria Cerqueira, Júlio Portela e Augusto Monteiro (5)

João Marques Fernandes, Irene Ferreira (2)

Josefina Varandas, Carlos Varandas (2)

José Paulo Correia

Beatriz Silva

Saída de Valongo por volta das 8,30h. Encontro com a Beatriz em Quintã e início da caminhada após breve “briefing” dado tratar-se de grupo numeroso e com alguns participantes menos experientes. O percurso, que totalizou 14,6Km aproximadamente, foi quase todo por caminhos florestais e praticamente não foi vislumbrado qualquer eucalipto. A brilhante condução da nossa companheira Beatriz permitiu que o grupo se mantivesse unido até ao final da caminhada. Foi depois tempo de comprar castanhas para quem assim o desejou, na fornecedora dos anos transatos. Despedidas feitas, cada um regressou a suas casas satisfeito com mais um evento saudável e sem incidentes de maior.

Os responsáveis pela secção de Trekking do ARCM (Alto-Relevo Clube de Montanhismo)

Arnaldo Costa

Domingo, 06 de Novembro de 2016

Local e hora de encontro: 08h00m – LIDL VALONGO

Percurso por caminhos agrícolas e florestais, a partir da localidade de Quintã, Vila Real.

O grupo será orientado pela nossa companheira de Caminhadas Beatriz Silva, conhecedora da zona e com experiência bastante para orientar o grupo.

Partida/Chegada: Quintã, junto ao Campo de Futebol

Tipo: Circular

Distância: aproximadamente 15 km

Grau: Moderado

Inicio: 10.00 / 10:30

Máximo participantes – 25

mascaras lazarim20161023 - PR6 Máscaras de Lazarim+PR4 Anta de Mazes - Lamego

Domingo, 23 de Outubro de 2016

Local e hora de encontro: 08h00m – LIDL VALONGO

Percurso: Máscaras de Lazarim (PR6) e Percurso Anta de Mazes (PR4)

Local: Lazarim (Lamego)

Partida/Chegada: Lazarim

Tipo: Circular

Distância: aproximadamente 14 km

Grau: Fácil/Moderado

Inicio: 10.00 / 10:30

Máximo participantes – 20

DSC04258Domingo, 25 de Setembro de 2016

Fotos aqui

Encontro no Porto Extremo – 8h00m

43 Participantes e 2 canídeos (Nina e Gimba)

Arnaldo Costa, José Nunes, Dulce Gonçalves, Cristina Martins e José Costa (5)

António Oliveira, Rosa Oliveira, Maria Graça Basto, Luís Rui e Gabriel Coelho (5)

José Carlos Gomes, Orquídea Lima, António Pinto, Mário Ferreira e Marisa Alves (5)

Beatriz Silva, Catarina Ascensão, Lília Araújo, Cinda Rodrigues e Luís Teixeira (5)

Vladimiro Pereira, Noémia Peres, Helena Silva, Nina Gonçalves e Teresa Pereira (5)

João Marques Fernandes, Irene Ferreira, Miguel Guimarães, José Cruz e Lino Santos (5)

António João Pinto, Vanessa Loureiro (2)

José António Duarte, Maria do Céu (2)

Cláudia Relva, Gil Nunes, Sara Sousa, Fernando Miranda, Maria Magalhães, Filipe Coelho, Luís Coelho e Mafalda Santos (8)

Isabel Quinta

Saída do Porto por volta das 8,30h. Paragem para reagrupamento em Antuã e chegada a Vilarinho de São Roque pouco depois das 9h30m. Depois de uma curta espera por alguns dos que foram diretos, e pelos que foram enganados pelo respetivos sistemas de navegação, iniciamos a caminhada com uma “subidinha” para aquecer, e depois disso dirigimo-nos ao marco geodésico onde esperávamos encontrar uma mamoa megalítica. Deste pequeno desvio, apenas resultou uma caminhada mais longa e a satisfação de termos atingido o ponto mais elevado da zona – da Mamoa, nem sinal. Após uma longa e fácil descida até à Ribeira da Felgueira (Rio Pequeno) a envolvência foi sendo cada vez mais interessante. Aqui foi feita uma pequena pausa para restabelecer energias. Seguiu-se a margem do Caima e, depois da obrigatória pausa para almoço, lá foi possível reunir todo o grupo junto a uma cascata de belíssimo aspecto, mas com águas cujo cheiro sugeria proveniência algo duvidosa. Após paragem em Ribeira de Fráguas, para café e refrescos, entramos num belíssimo Parque de Merendas e seguimos o trilho ao longo do Rio Fílveda, com alguns moinhos, pontes e passadiços muito interessantes. Ainda não eram 17h e já nos encontrávamos no ponto de partida. Feitas as primeiras despedidas dirigimo-nos ao mesmo café de Ribeira de Fráguas e aí estivemos, durante algum tempo, em animado convívio. Mais uma jornada de sucesso, a julgar por alguns comentários que me foram sussurrados. Alguém disse até, que das muitas caminhadas que já tinha feito, esta terá sido uma das mais belas! Concordo inteiramente…

Os responsáveis pela secção de Trekking do ARCM (Alto-Relevo Clube de Montanhismo)

Arnaldo Costa e Tiago Costa

pr2 3 riosPR2 TRILHO DOS 3 RIOS – ALBERGARIA-A-VELHA

 

Domingo, 25 de Setembro de 2016

Local e hora de encontro: 08h00m – Café PORTO EXTREMO (Grupo Tropical Burguer), mesmo em frente à entrada principal do Hospital de S. João.

Existem lugares de estacionamento suficientes na frente e nas traseiras dos prédios circundantes

O percurso tem início no Centro de Atividades Radicais e Ambientais de Vilarinho de S. Roque. Segue em direção à ponte do Lagar de Azeite, no lugar de Telhadela, passa no Cabeço dos Mouros onde é possível fazer um desvio de 800m e encontrar vestígios de um monumento megalítico, a Mamoa de Castro. Continua até às ruínas do Lagar do Azeite, junto à ribeira da Felgueira (Rio Pequeno). O Lagar era uma estrutura singular na região, constituída por duas prensas de vara e foi abandonado no séc. XX. Neste local encontra-se também a Ponte do Barro Negro (ponte de arco quebrado) e o Moinho do Souto ainda em funcionamento.
O trajeto ladeia a margem da ribeira da Felgueira (rio Pequeno), onde se pode contemplar o lugar milenar de Telhadela. Passa ainda junto aos moinhos desativados, próximos do complexo das Minas do Palhal, onde se pode observar a Ponte Negra, ponte sobre o rio Caima, composta de carris de ferro cuja função era a de transportar, através de vagonetes, minerais entre as margens. No mesmo local, existem ainda as ruínas da lavandaria do minério, pertencentes à casa grande que servia de residência ao Engenheiro da Companhia da Mina de Telhadela.
Prossegue depois em direção à Ponte do Palhal, construída em 1776, que liga as freguesias da Branca à Ribeira de Fráguas, onde se vislumbra o Alto dos Barreiros com uma vista panorâmica sobre o vale.
Desce em seguida até à Ribeira de Fráguas, podendo-se conhecer a Igreja Matriz de S. Tiago, que remete ao Séc. XVII, e a Casa Museu do Rancho Folclórico da Ribeira de Fráguas.
Já a caminho do Parque dos Moinhos, é possível visitar 3 destes engenhos de água, todos eles em funcionamento: Moinho de Baixo e Moinhos da Quinta da Ribeira. O percurso continua pela subida do rio Fílveda, podendo-se observar paisagens deslumbrantes, desenhadas por pequenas cascatas e açudes. Aqui encontra-se o Cabouco, antiga mina onde existia uma roda motriz movida pela água do Açude dos Ingleses. Esta roda fazia movimentar o elevador do poço das Minas do Coval da Mó, primeiro testemunho arqueológico da indústria mineira.
Este magnífico percurso atravessa ainda os campos agrícolas onde é possível avistar-se o lugar de Vilarinho de S. Roque, e onde se pode visitar o lugar do Regatinho, o núcleo molinológico em funcionamento e a capela de S. Roque do Séc. XVII.

DSC04062ECOVIA Etapa 3 Vilela - Sistelo - ARCOS DE VALDEVEZ

Domingo, 28 de Agosto de 2016

Fotos aqui

Encontro no Porto Extremo – 8h00m

20 Participantes e 3 canídeos (Reya, Vindouro e Nina)

Arnaldo Costa, Tiago Costa, José Nunes e Dulce Gonçalves (4)

António Oliveira, Rosa Oliveira, Sofia Santos, Lino Santos e Rita Carreira (5)

José Carlos Gomes, Orquídea Lima, José Costa, Augusto Monteiro e Luís Rui (5)

Nuno Meca, Estela Almeida, Vasco Meca e Josefina Varandas (4)

José Paulo Correia e

José Campos Sousa

Paragem no centro dos Arcos para café e encontro com dois dos participantes. Início da caminhada cerca das 10horas. Percurso bastante agradável, quase sempre pela sombra, como convinha já que o calor que se fazia sentir era bastante. Chegados quase a Sistelo, paragem para almoço no parque de merendas da capela do Senhor dos Aflitos. Uma hora e pouco depois, iniciamos o caminho de regresso, com paragem no poço das Caldeiras (Loureda) para um refrescante banho em piscina natural. Terminada a caminhada por volta das 18h fomos ainda até ao Bar do Rio e despedidas feitas quase às 19 horas, cada um regressou a sua casa, ao que pareceu satisfeito com mais este evento e ansioso pelo próximo. Mais um para a já longa história do Trekking ARCM!

Os responsáveis pela secção de Trekking do ARCM (Alto-Relevo Clube de Montanhismo)

Arnaldo Costa e Tiago Costa

sistelo imgECOVIA Etapa 3 Vilela - Sistelo - ARCOS DE VALDEVEZ

Domingo, 28 de Agosto de 2016

Local e hora de encontro: 08h00m – Café PORTO EXTREMO (Grupo Tropical Burguer), mesmo em frente à entrada principal do Hospital de S. João.

Existem lugares de estacionamento suficientes na frente e nas traseiras dos prédios circundantes

Etapa 3:

Vilela - Sistelo

Distância: 10,266 metros x 2 (Ida e volta)

Duração: cerca de 2h00m.

Altitude mínima/máxima: 68 mts / 278 mts Desnível acumulado: 462,76 metros

Coordenadas: Vilela 8° 26’ 27,387” W 41° 55’ 10,739” N

Grau de dificuldade - médio

Máximo participantes – 20

Regresso ao Porto a meio da tarde.

Sugestões:

Água é fundamental.

Fato de banho, toalha e chinelos.

Comida – Suficiente para as pausas de restabelecimento de energias e refeição leve para almoço.

Roupa adequada, incluindo boné.

Calçado confortável.

Bastões de caminheiro (não fundamentais, mas recomendam-se...)

Óculos de sol e protetor solar

Máquina Fotográfica.

Impermeável, de prevenção, caso chova.

Manta de sobrevivência, quem tiver.

Boa disposição q.b.

Nota: A atividade não tem seguro. Obrigatória a assinatura de termo de responsabilidade.

Agradeço aos interessados que confirmem a sua presença até Quinta-feira, 25 de Agosto, indicando se podem ou não levar viatura própria. A decisão das viaturas a utilizar será feita em conformidade com o nº de presentes à partida, por forma a tentarmos minimizar custos, por pessoa, com a viagem.

Inscrições através de envio de mail para O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ou O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Contactos dos responsáveis pela secção de Trekking do ARCM (Alto-Relevo Clube de Montanhismo)

Coordenador - Arnaldo Costa - 917755286

Secretário – Tiago Costa – 912488446

13592552 10208088465982985 7737650234409227482 nPR 10 - Rota dos Aromas - AROUCA 

Domingo, 3 de Julho de 2016

Fotos aqui

Encontro no LIDL Valongo – 8h30m

24 Participantes e 3 canídeos (Reya, Vindouro e Nina)

Arnaldo Costa, José Nunes, Dulce Gonçalves e Cinda Rodrigues (4)

António Oliveira, Rosa Oliveira, Valdemar Freitas, Joaquim Seca, Sofia Santos (5)

Vladimiro Pereira, Noémia Peres, Teresa Pereira, Alcindo Carvalho (4)

José Carlos Gomes, Orquídea Lima, Célia Antunes, José Cruz e Luís Rui (5)

Miguel Mortágua, Marisa, Luís Teixeira, Lino Santos e Gabriel Coelho (5)

José Paulo Correia

Após alguns contratempos para que alguns participantes ( os que não lêem o programa …) encontrassem o ponto de partida, iniciamos o percurso já passavam cerca de 10 minutos das 10h30m. A primeira parte do percurso, de Covas até Espiunca foi bastante agradável. Às 13horas, encontrada uma sombra junto de um curso de água foi feita uma longa pausa para almoço e que permitiu até que alguns aproveitassem para uma refrescante banhoca. Depois disto e até Serabigões o caminho ainda era bonito, mas o calor abrasador provocou alguns “estragos” em caminheiros menos experientes ou que faltam muito aos treinos. A parte final do percurso, com plantações recentes de eucaliptos e muito desabrigada, revelou-se bastante desinteressada. Chegados ao final e depois de saciada a sede de praticamente toda a gente no café da aldeia, foi tempo de despedidas. Uns quantos voltaram à praia fluvial de Espiunca e aproveitaram para tomar mais uns banhitos e dar uns saltos para a água. Valeu a pena!

Os responsáveis pela secção de Trekking do ARCM (Alto-Relevo Clube de Montanhismo)

Arnaldo Costa e Tiago Costa

pr10 aroucaPR 10 - Rota dos Aromas - AROUCA

Domingo, 3 de Julho de 2016

Local de encontro – LIDL Valongo – 8h30m

Descrição do percurso

O PR10 – “Rota dos Aromas” é um percurso pedestre, de pequena rota, em circuito, que decorre entre os lugares da antiga freguesia da Espiunca.

O percurso inicia-se em Vila Cova, junto à paragem do autocarro. Percorre cerca de 400 m da estrada de asfalto que se dirige para a Espiunca. Numa curva apertada desta toma, à esquerda, um caminho antigo que decorre ao longo de um muro que protege campos de cultivo. Sempre a descer, passa pelo lugar das Carvalhas até ao ribeirinho que atravessa numa antiga ponte de arco seguindo, agora, por caminhos de floresta.

pr10 aroucaPR 10 - Rota dos Aromas - AROUCA

Domingo, 3 de Julho de 2016

Local de encontro – LIDL Valongo – 8h30m

Descrição do percurso

O PR10 – “Rota dos Aromas” é um percurso pedestre, de pequena rota, em circuito, que decorre entre os lugares da antiga freguesia da Espiunca.

O percurso inicia-se em Vila Cova, junto à paragem do autocarro. Percorre cerca de 400 m da estrada de asfalto que se dirige para a Espiunca. Numa curva apertada desta toma, à esquerda, um caminho antigo que decorre ao longo de um muro que protege campos de cultivo. Sempre a descer, passa pelo lugar das Carvalhas até ao ribeirinho que atravessa numa antiga ponte de arco seguindo, agora, por caminhos de floresta.

TPV img TPV - Técnicas de Progressão Vertical

 

"... A espeleologia dificilmente pode ser considerada de competitiva. Contudo, através das técnicas convencionais criou-se um conjunto de modalidades de competição desportiva, dirigidas a avaliar a velocidade, a resistência e a técnica dos atletas. ..." botao tpv 

 

(excerto do documento da prova do 1º Campeonato Nacional de TPV 2011 - Valongo)

Siga-nos em            

MEO ARCM 28855
 

 

 

 

Alojamento oferecido por:

logo maquinadigital pq