small spapsmall bttsmall canyoningsmall escaladasmall espeleosmall montanhismosmall snowboard skismall trekking

Cova da Moura20170326 – TRILHO DA COVA DA MOURA - MONÇÃO
Domingo, 26 de Março de 2017
Local e hora de encontro: 08h30m – Café PORTO EXTREMO (Grupo Tropical Burguer), mesmo em frente à entrada principal do Hospital de S. João.
Existem lugares de estacionamento suficientes na frente e nas traseiras dos prédios circundantes
Localização: Cambeses-Monção
Tipo: Pequena Rota
Âmbito do Percurso Histórico -Paisagístico
Ponto de Partida: Santuário dos Milagres
Ponto de Início/Start Point
GPS: 42° 2'45.55"N/8°28'8.79"W

Distância a percorrer: cerca de 14,5km
Nível de dificuldade: Moderado
Máximo participantes – 20

Senhora da Serra Marão20170319 – DA BOAVISTA AO MAIS ALTO DO MARÃO

Domingo, 19 de Março de 2017

Local e hora de encontro: 08h00m – LIDL VALONGO.

Tipo de Percurso: Circular sem interrupções, com duração de cerca de 7 horas de caminhada.

Distância a percorrer: cerca de 20 Km.

Percurso a definir pela guia BEATRIZ SILVA.

Nível de dificuldade: ELEVADO

Máximo participantes – 20

Miranda 1Festival dos Sabores de Miranda do Douro - 18 e 19 de Fevereiro de 2017 – Fim de semana

Sábado 18 de Fevereiro

Participantes: 33

Arnaldo Costa, Isabel Rocha, José Costa, Cinda Rodrigues e Luís Teixeira

Sofia Santos, Cristina Martins, Augusto Monteiro, Beatriz Silva e Catarina Ascenção

Mário Dantas, Lurdes Baía, Rosa Oliveira, Joaquim Secca e Ana Rodrigues

Isabel Mortágua, Augusta Mortágua, Maria Graça, Isabel Quinta e Esperança

Miguel Magalhães, Júlio Portela, Gabriel Coelho e Orquídea Lima

Carlos Mendes, Ana Araújo, Luís Mendes, Rui Ribeiro e Virgínia Araújo

Vladimiro Pereira, Noémia Peres e Teresa Pereira

José Paulo Correia

Saída do LIDL Valongo pouco depois das 9h30m de Sábado. Chegada a Miranda do Douro cerca das 13 horas, hora do almoço. Após breve pausa e passeio pela cidade dirigimo-nos ao embarcadouro participamos do cruzeiro de uma hora a montante da barragem e no curso do Douro Internacional. Experiência fantástica ao longo das arribas, em barco panorâmico, com prova de vinhos generosos e pequeno show com aves de rapina no final.

Novo passeio pela cidade e jantar na cidade, com liberdade de escolha: uns em restaurantes locais e outros no certame em curso: Festival dos SABORES MIRANDESES.

Quem ficou na cidade pode usufruir do evento até mais tarde, quanto aos restantes tiveram de deslocar-se cerca de 20 Km para sul, Barrocal do Douro, onde pernoitaram no Centro de Acolhimento Juvenil em muito boas instalações.

No Domingo a maior parte do grupo participou na caminhada organizada pela Camara Municipal, cerca de 10 KM pelo Planalto, com reforço e almoço no certame. Visitamos ainda o Castro, local com vistas fantásticas para as arribas e para o Rio Douro.

Após o almoço houve tempo livre para usufruir da cidade e do certame e cerca das 16 horas iniciamos a viagem de regresso a casa, ao que parece pelas reportagens e comentários pelos meios habituais toda a gente saiu satisfeita e com vontade de talvez repetir a façanha na próxima época.

O Coordenador

Arnaldo Costa

20170122 - PR10 SEVER DO VOUGA - TRILHO DO GRESSO – Relatório

Talvez o percurso menos interessante de todos os que realizamos até esta data.

Valeu pela aventura e nada melhor que as palavras do nosso companheiro Luís Rui que acompanharam as fotos por ele publicadas para servir de relatório deste evento

“parte 1. da chegada ao ponto de partida, uma visita rápida a igreja do local e de encontra 2 bolas de Berlim, por desejos, lá fomos seguindo a estrada para chegar ao caminho dos "espigueiros" dos Kiwis ainda na ramada, dos mirtilos que por aqui abundam, da boa disposição nesta manhã soalheira e limpa, chegamos à capela do linheiro, onde o santo parece ter perdido o olhar, refrescamos-nos nas fontes e passamos por locais floridos e luminosos tal a manhã e chegamos a zona dos moinhos... continua

Parte 2. E tal como amanhã crescia em luz e calor, de Inverno, o caminho crescia em surpresa era um caso e motivo para mais uma sequência de registos. Agora foi o portal no caminho, com trinco e com recomendação de o último o fechar. Todos passaram para passar a ver os moinhos e as suas levadas onde a água cantava em pequenas "cachoeiras". passamos à levada mãe que se estendia por centenas de metros num trilho estreito e radical, até que acabou e acabou o trilho visível, (Há ainda indício do último fogo que deve ter originado alteração do terreno devido às máquinas de combate) nada que assustasse. O caminho faz-se caminhando e assim o fomos fazendo a corta mato. Foi um tempo radical de improviso. passar por baixo das silvas, por cima dos troncos caídos, equilibrando-nos sobre pedras que boliam e mata e mais mato até que, por dois paus e muito braço renascemos de novo para um "caminho corta fogo". Respiramos. agrupamos, fotografamos-nos e partimos à prura de um lugar para almoçar,,, mas até lá vamos indo e vamos vendo a paisagem... continua...

Parte 3. estávamos pela quase hora do almoço, ao nível da água que corria por baixo da ponte e o chão estava molhado, como se isso fosse um problema do Caminheiro, mais à frente, bastante mais á frente, não havia sol, como se isso fosse problema para o Caminheiro, e por fim assentamos sobre um tapete de ouriços e folhas de castanheiro, lindo de ver, enquanto se desenfardava do farnel o petisco, ainda houve tempo para uma sesta tipo indiano, sobre os picos dos ouriços que se revelaram ainda com castanhas bem saborosas, que rivalizaram com a Ginginha da marca MGraça F. Basto e do café quente tipo JoséDulce Nunes. reconfortados com o repasto partimos para os 6 km finais onde se viram coisas nunca vistas e reveladas nua foto qualquer, mais adiante, como seja as mimosas com brincos de princesa, várias provas de frutos surripiados à socapa e outros oferta da senhora que vigiava as "pêras melão" ou a mini tangerina que o Coordenador Arnaldo Costa conseguiu ver e foi apanhado a apanhá-la... e foi uma tarde farta de tudo até e para além da Portela onde coisa rara e documentada na última foto, logo a seguir ao gato desfocado ( não entendi os Gatos hoje, estavam esparramados ao sol e quando sentia a máquina a focar eles desapareciam, neste ainda lhe apanhei o rasto) mas dizia no que toca a animais, depois de águias e leões, salvei o dia com o animal raro nesta paragens e quiçá único, que ali estava a saudar quem passa ( e imagino que alguns, que ali passaram, o vão ver só agora, digam lá... ) e assim se passou + 1 dia de "dar aos Pen@ntes" ...FIM

Sabores Mirandeses

Festival dos Sabores de Miranda do Douro - 18 e 19 de Fevereiro de 2017 – Fim de semana

Sábado 18 de Fevereiro

Local e hora de encontro:

09h00m – Café PORTO EXTREMO (Grupo Tropical Burguer), mesmo em frente à entrada principal do Hospital de S. João.

09h30m – LIDL Valongo

ALOJAMENTO para a noite de 18/19 em Barrocal do Douro. Quartos para 4 pessoas, com roupa de cama e toalhas. Instalações sanitárias com água quente. Custo por quarto – 15€.

Partida para Miranda do Douro e visita ao evento com resto do dia livre na cidade.

No Domingo – participação em caminhada organizada pela C.M.. Pormenores do evento e desta caminhada serão revelados posteriormente.

Nº Participantes: Máximo 20

(Implica 4 viaturas de 5 lugares, de preferência a gasóleo, classe 1 em portagem. Naturalmente que o custo por pessoa será menor se conseguirmos os 20 participantes)

INSCRIÇÃO OBRIGATÓRIA – Até ao dia 31 de Janeiro de 2017.

PR2 CITANIA BRITEIROS20161204 - PR2 ROTA DE CITÂNIA - GUIMARÃES

Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Local e hora de encontro: 08h30m – Café PORTO EXTREMO (Grupo Tropical Burguer), mesmo em frente à entrada principal do Hospital de S. João.

34 participantes

Mais uma vez e, apesar de algumas dificuldades logísticas, foi possível reunir um excelente grupo de caminheiros e realizar mais um excelente percurso, com destaque para visita à Citânia de Briteiros.

No Facebook do ARCM poderão encontrar diversas reportagens fotográficas que ilustram muito bem o sucesso deste evento.

pr10 Trilho do Gresso SVV.120170122 – PR10 SEVER DO VOUGA – TRILHO DO GRESSO

Domingo, 22 de Janeiro de 2017

Local e hora de encontro: 08h30m – Café PORTO EXTREMO (Grupo Tropical Burguer), mesmo em frente à entrada principal do Hospital de S. João.
Existem lugares de estacionamento suficientes na frente e nas traseiras dos prédios circundantes

link para consulta do folheto
http://www.coutodeesteves.com/turismo/coutodeesteves-percursos-pedestres/259-trilho-do-gresso.html

Máximo participantes – 25
Regresso ao Porto a meio da tarde.

Citania Briteiros 1 510 300 1 510 300PR2 ROTA DE CITÂNIA - GUIMARÃES

Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Local e hora de encontro: 08h30m – Café PORTO EXTREMO (Grupo Tropical Burguer), mesmo em frente à entrada principal do Hospital de S. João.

Existem lugares de estacionamento suficientes na frente e nas traseiras dos prédios circundantes

A “Rota da Citânia” estende-se ao longo das freguesia de Donim e S. Salvador de Briteiros, na orla setentrional do concelho, delimitado a norte pelas montanhas de altitude média acima dos quatrocentos metros da Falperra e a zona de vale do rio Ave, a sul. Trata-se de um território que, para além de dispor de boas condições naturais para as atividades agro-pastoris, disponibiliza excelentes condições de defesa natural, condições privilegiadas para os desenvolvimentos das primeiras formas civilizacionais.

14690984 10205680233365570 3794201531015945901 nPR6 Máscaras de Lazarim+PR4 Anta de Mazes - Lamego

Domingo, 23 de Outubro de 2016

Encontro no LIDL Valongo – 8h00m

28 Participantes e 3 canídeos (Vindouro, Reya e Nina)

Arnaldo Costa, Cinda Rodrigues, Maria da Graça, Esperança e Isabel Quinta (5)

José Carlos Gomes, Orquídea Lima, António Pinto, Luís Rui e João Peixoto (5)

Mário Dantas, Lurdes Baía, Luís Teixeira, Filipe Cardoso e Gabriel Coelho (5)

António Oliveira, Rosa Oliveira, José Costa, José Cruz e Cristina Martins (5)

Vladimiro Pereira, Noémia Peres, Teresa Pereira, Adelino Ramos e Lino Santos (5)

João Marques Fernandes, Irene Ferreira (2)

José Paulo Correia

Saída de Valongo por volta das 8,30h. Vencidos alguns contratempos lá acabamos por reunir o grupo em Lazarim e demos início à caminhada. O percurso é muito bonito e deverá valer a pena repeti-lo com condições atmosféricas mais favoráveis. A chuva intensa e as dificuldades de um participante levaram a alterar ligeiramente o plano inicial. Apesar de tudo e com a preciosa colaboração de alguns foi possível levar a bom termo a caminhada. É gratificante conduzir um grupo com elementos cuja boa-vontade faz com que aquilo que parecem ser grandes dificuldades se tornem obstáculos ultrapassados com sucesso. No final foi possível visitar o Museu das Máscaras graças à amabilidade do Sr. Presidente da Junta e dos seus colaboradores. Para eles fique registado o nosso agradecimento. Despedidas feitas, foi tempo de regresso a casa para um banho quentinho e prolongado, já que a “molha” com que fomos brindados não era nada morna

O responsável pela secção de Trekking do ARCM (Alto-Relevo Clube de Montanhismo)

Arnaldo Costa

14980812 10209100909013428 4850467758380316775 n

CASTANHAS PARA O S. MARTINHO ENTRE O ALVÃO E O MARÃO - Relatório

Domingo, 06 de Novembro de 2016

Encontro no LIDL Valongo – 8h00m

41 Participantes e 4 canídeos (Vindouro, Reya, Nina e Cuca)

Arnaldo Costa, José Nunes, Dulce Gonçalves, Cinda Rodrigues e Gabriel Coelho (5)

José Carlos Gomes, Orquídea Lima, António Pinto, Célia Vieira e Ana Margarida (5)

Isabel Mortágua, Luís Teixeira, Filipe Cardoso, José Costa e Cristina Martins (5)

Lino Santos, Sofia Santos, Maria da Graça, Esperança e Isabel Quinta (5)

Mário Dantas, Lurdes Baía, Rosa Oliveira, Joaquim Seca e Luís Rui (5)

Vladimiro Pereira, Noémia Peres, Helena Silva, Nina Gonçalves e Teresa Pereira (5)

Rui Vieite, Conceição Lages, Maria Cerqueira, Júlio Portela e Augusto Monteiro (5)

João Marques Fernandes, Irene Ferreira (2)

Josefina Varandas, Carlos Varandas (2)

José Paulo Correia

Beatriz Silva

Saída de Valongo por volta das 8,30h. Encontro com a Beatriz em Quintã e início da caminhada após breve “briefing” dado tratar-se de grupo numeroso e com alguns participantes menos experientes. O percurso, que totalizou 14,6Km aproximadamente, foi quase todo por caminhos florestais e praticamente não foi vislumbrado qualquer eucalipto. A brilhante condução da nossa companheira Beatriz permitiu que o grupo se mantivesse unido até ao final da caminhada. Foi depois tempo de comprar castanhas para quem assim o desejou, na fornecedora dos anos transatos. Despedidas feitas, cada um regressou a suas casas satisfeito com mais um evento saudável e sem incidentes de maior.

Os responsáveis pela secção de Trekking do ARCM (Alto-Relevo Clube de Montanhismo)

Arnaldo Costa

TPV img TPV - Técnicas de Progressão Vertical

 

"... A espeleologia dificilmente pode ser considerada de competitiva. Contudo, através das técnicas convencionais criou-se um conjunto de modalidades de competição desportiva, dirigidas a avaliar a velocidade, a resistência e a técnica dos atletas. ..." botao tpv 

 

(excerto do documento da prova do 1º Campeonato Nacional de TPV 2011 - Valongo)

Siga-nos em            

MEO ARCM 28855
 

 

 

 

Alojamento oferecido por:

logo maquinadigital pq