small spapsmall bttsmall canyoningsmall escaladasmall espeleosmall montanhismosmall snowboard skismall trekking

FotoGrupo11Passeio

Secção: BTT

 

Actividade: Passeio à Citânia de Sanfins – Paços de Ferreira

 

Data: 29 de Maio de 2016

 

Local de Início/Fim: Alto de Valongo

 

N.º de participantes: 12

 

Fotos: ver aqui

 

Video: ver aqui

 

Com a presença dos sócios António Oliveira, Sérgio Soares e Valdemar Freitas e ainda de mais nove participantes, não sócios do Alto Relevo – André Lourenço, António Magalhães, Armando Teixeira, Augusto Tomé, Jorge Bastos, Jorge Oliveira, Nelson Leitão, Pedro Ferreira e Rui Teixeira, a secção de BTT do Alto Relevo, levou a efeito no passado domingo, dia 29 de Maio de 2016, mais um evento mensal, desta vez designado por “11.º Passeio Dar ao Ped@L - ARCM” – Citânia de Sanfins”, cujo destino, como se compreende da denominação do evento, foi a referida citânia, localizada no concelho de Paços de Ferreira.

 

A partida estava marcada para as oito da manhã, no Alto de Valongo e, logo após a distribuição dos frontais personalizados pelos participantes e um ligeiro atraso, deu-se inicio ao passeio, efectuando o grupo a descida por Langueirões em direcção à serra de Quintarei, que subiram pelo estradão já conhecido pela maioria dos betetistas.

 

Antes da partida, o aguaceiro que caiu prometia um dia de chuva que não desejávamos de todo, mas que infelizmente esta triste Primavera, nos tem brindado por excesso o que, diga-se de verdade, é mau para a actividade mas não impede que a mesma se realize, pois até há quem goste de “brincar” com a situação, saltando as poças, deslizando na lama e derrapando nalguns regos, mais profundos, dando assim mais adrenalina ao passeio.

 

E por trilhos de monte na serra de Quintarei e ainda nas serras de Santo Tirso e estradas secundárias lá fomos subindo e descendo montes e mais montes, com muita pedra solta e grandes regos provocados pela muita chuva que tem caído, o que nos obrigou em muitos casos a andar com a “menina” pela mão, até chegarmos ao alto do Monte Pilar e ao conhecido Radar da Força Aérea Portuguesa.

 

Por causa da foto de grupo, que encima esta crónica, junto do Cristo Rei, fizemos um pequeno desvio do percurso que o GPS indicava, tendo esse curto desvio provocado o maior engano do dia, pois ao voltarmos ao trilho, seguimos o percurso de volta, cujo traçado no alto do monte se cruzava com o da ida para a citânia, tendo esse engano aumentado em cerca de 10 km, o nosso percurso total.

 

Para recuperarmos o tempo perdido e a distância a mais, que nos separava do nosso destino em Sanfins, optamos por seguir por estrada até encontrarmos de novo o trilho em Santa Luzia e irmos primeiro almoçar, antes de irmos à citânia, no café Sampaio, em Cabanas, Santo Tirso, pois a fome já apertava e a hora de almoço já ia adiantada.

 

Já tinha avisado a malta ao que íamos, ou seja, apenas comer umas sandes e se houvesse e quisessem uma tigelinha de sopa, para retemperar energias para o resto do caminho e de volta às subidas até ao alto de Sanfins e à sua respectiva citânia, que alguns conheciam e outros desejavam ainda conhecer.

 

Que bem souberam as primeiras sandes de regueifa com rojões e algumas com salpicão e depois a sopinha de couve branca e feijão, condutos que animaram a malta para a segunda metade do passeio, a pontos de por essa altura ninguém se importar com o que teria de enfrentar de seguida, mais “arroz” e de novo “arroz”, ou seja, subir, subir e mais subir.

 

E assim foi, lá fomos trilhando terra e mais terra, pedras e mais pedras, lama e poças de água, paralelos e asfalto até que chegamos por fim, já com o tempo a prometer grandes mudanças e para pior, com mais frio e vento, à dita Citânia de Sanfins, onde depois de algumas fotos iniciamos a descida, primeiro por um trilho muito técnico e com alguma dificuldade e depois por outro completamente impróprio para bicicletas, totalmente não ciclável, até que tivemos de vestir à pressa os casacos da chuva, para mais um dos aguaceiros, que julgávamos nós, em breve desapareceria, como outros tantos que já o dia tivera.


Mas não, e o que mais de fenomenal nos aconteceu, foi o enorme dilúvio que apanhamos desde a zona da fábrica do IKEA, na Seroa e em toda a descida de asfalto até Agrela e à zona do melhor “ginásio” do mundo, a tasca meca de betetistas e motards, pelos famosos pratos de presunto e salpicão fatiado, acompanhados de regueifa acabada de cozer e um fresquinho vinho verde espadal.

 

Parecia que o mundo queria desabar em cima de nós, em forma de tromba de água e daí para a frente nada, em Água Longa, já não chovia, em Alfena a estrada estava seca e ao chegarmos a Ermesinde, já estava sol.

 

Anda o clima louco e o santo da chuva a brincar com o tempo ou isto está tudo uma enorme salgalhada, a Primavera já não é o que era e não nos quer ver a pedalar com sol e vento fresquinho na cara.

 

Mas quem anda, ou melhor pedala, por gosto, sabe que o BTT é isto tudo e não é a chuva, o vento, o sol a mais ou o que quer que seja, que nada impede um passeio Dar ao Ped@L, de ser memorável, como outros tantos que já tivemos e haveremos de ter.

 

Venha o próximo, que também terá muito que contar.


O Coordenador da Secção,

Valdemar Freitas

 

TPV img TPV - Técnicas de Progressão Vertical

 

"... A espeleologia dificilmente pode ser considerada de competitiva. Contudo, através das técnicas convencionais criou-se um conjunto de modalidades de competição desportiva, dirigidas a avaliar a velocidade, a resistência e a técnica dos atletas. ..." botao tpv 

 

(excerto do documento da prova do 1º Campeonato Nacional de TPV 2011 - Valongo)

Siga-nos em            

MEO ARCM 28855
 

 

 

 

Alojamento oferecido por:

logo maquinadigital pq